Esse é um assunto polêmico principalmente entre as mulheres. Pensando na depressão como uma doença crônica, em alguns casos o tratamento pode durar alguns anos ou até a vida inteira. Cerca de 30% das mulheres abandonam o tratamento com o antidepressivo por acreditarem que ele é o responsável pelo ganho de peso. Alguns antidepressivos apresentam sim como efeito colateral o ganho de peso em alguns casos como a Paroxetina e a Mirtazapina, além de um grupo de antidepressivos mais antigos chamados de tricíclicos que tem como exemplo a Amitriptilina e a Nortriptilina. Já outros antidepressivos podem levar a uma perda de peso como é o caso da Fluoxetina, muito importante ressaltar que essa perda de peso pode acontecer nas primeiras semanas de tratamento, mas é um efeito transitório que não se mantém a longo prazo. Um outro ponto importante é que mudanças como o ganho ou a perda de peso podem estar relacionados com a alteração do apetite ou diminuição da atividade física que podem ser sintomas do próprio quadro depressivo. Costumo dizer para os meus pacientes que o antidepressivo atua nesse caso na causa do problema e em decorrência da melhora do quadro o paciente pode ganhar ou perder peso e não necessariamente por conta do efeito colateral do antidepressivo. Mas esse é um assunto ainda muito controverso uma vez que pode sofrer influência de vários fatores. Vale lembrar que é de extrema importância não parar ou alterar a medicação por conta própria e caso você note algum efeito colateral indesejável converse com o seu psiquiatra.